Um dia ideal poderia começar com o pequeno-almoço muito longo e relaxado, ao ar livre. Gostaria de tomar café sem pressa e ler. Depois, iria para a praia. No meu sonho, a praia poderia ficar em Portugal, mas o mar deveria estar quente. Apanharia sol, ouviria o som do mar.

Não pensaria em nada, os italianos chamam este estado ”dolce far niente”. Nos últimos tempos, não só italianos, mas todo a gente tem feito “niente”, mas não é de maneira nenhuma ”dolce”.

Num dia ideal o dia é para relaxar e a noite é para nos divertirmos  e nos alegrarmos. Jantaria fora com a família e os amigos, cantaríamos,  beberíamos vinho, ouviríamos música e sorriríamos muito. 

Na minha opinião, um dia ideal é um dia mais básico e simples. Mas quando temos muitos dias ideais, sem desafios, sem riscos e sem surpresas, ficaremos aborrecidos.