Recentemente, eu li um artigo chamado “Trabalhadores podem aprender a adorar a inteligência artificial” (Workers Can Learn to Love Artificial Intelligence) no Financial Times. A ideia principal deste artigo é que os trabalhadores podem adotar a inovação da IA ​​e a eficiência que ela traz, desde que sintam que a podem controlar. Caso contrário, os trabalhadores podem rejeitar a inovação.

O artigo analisou porque é que os trabalhadores se sentem ameaçados pela IA e lista alguns exemplos e estudos de como os trabalhadores estão a reagir à IA no âmbito dos seus locais de trabalho. O artigo destaca os benefícios das inovações de automação e IA em trabalhos periféricos e os novos empregos que as inovações também criam.

A ideia que o artigo traz é realista. O artigo menciona a realidade que carros sem motorista e alguns outros trabalhos que já substituíram humanos por robôs. No entanto, destaca a cooperação e a interação entre a IA e os seres humanos. Por último, o artigo incentiva políticos e economistas a promoverem a cooperação entre cientistas da computação e cientistas sociais para que possam medir o impacto das novas tecnologias.